Páginas

26 de junho de 2017

pilar

aquela vontade de fugir sempre presente. sumir rapidinho para recuperar as energias e depois voltar. revi meus textos e sinto isso há anos. a diferença é que hoje não me sinto mais sozinha, como antes. porque aí vem a prova que sua família te ama e não vai te deixar desistir nunca. obrigada por toda a força que vocês me dão. obrigada pelo apoio e amor incondicional. espero que entendam que quero seguir essa jornada sozinha. eu preciso aprender por minha conta. se eu fugir para o abrigo toda vez, nunca saberei como é enfrentar uma tempestade. obrigada por respeitarem.como olhos cheios de lágrimas escrevo esse texto. família é tudo. mesmo longe, me sinto perto de vocês. obrigada.

compreensão

estou sentindo uma forte afinidade com orgulho e arrogância. e pensando bem, acho que tenho essa familiaridade há décadas, desde criança. depois que eu entendi que minha mãe não me dava parabéns para não fortalecer o meu ego que se dizia inteligente e perfeito, eu entendi muita coisa. ela fez isso por amor, e talvez isso tenha contribuído muito. a questão é que agora eu estou sentindo essa energia de orgulho muito forte e acho que está gerando conflito porque essa é uma coisa que tem que ser limpa. talvez eu tenha que me achar mesmo, sofrer com essa diferença de energias, para aprender que 175 e 530 não podem coexistir. e o sofrimento está sendo gerado porque há insistência e resistência. a energia 175 não aguenta, e por ser mais fraca, ela vai embora. por isso a crise. é uma parte minha que está morrendo.

con-fusão de ideias

eu sinto que antes de fazer qualquer coisa eu preciso estar aqui. único lugar de fluidez verdadeira. a confusão está maior e mais densa do que das outras vezes. tudo está muito difícil. eu sei que não posso ficar falando isso, porque só reforça a ideia de vitimismo, mas está mais difícil sim.
eu sei exatamente o que fazer, mas por algum motivo, (o mesmo vitimismo talvez?) não estou tendo forças para fazer. passa na minha mente a questão financeira, os calotes, os atrasos. as novas perspectivas de fechamento, os novos projetos. os ensinamentos que tenho que passar para frente. a vontade que tenho de falar com você, mesmo sabendo que não é mais minha responsabilidade, mas eu sinto que é. há a isenção mas ao mesmo tempo a existência. já não sei mais como é pensar com clareza e decisão. estou me sentindo incompetente. como se eu não soubesse fazer mais nada direito. nem falar, nem andar, nem criar. único refugio que vejo agora é a música, arte, desenho, cores, leitura, videos e aprendizado. querer muitas coisas ao mesmo tempo me incentiva, mas me suga muita energia, fazendo com que minha concentração fique pífia por tempo indeterminado. um mes que não escrevia aqui. e não porque estava tudo bem, mas porque eu não estava tendo forças para ficar aqui. computador e celular me lembrar cobrança e atrasos. ao invés de resolver as pendências fico apenas falando delas. que jeito inefetivo, não? graças a você consegui sair da cama ontem e ir fazer algo diferente do habitual. nunca havia jogado tênis, foi uma experiência legal.