Páginas

21 de dezembro de 2015

Universo

Vem,
E me faz refém
Do teu Universo. 

Me leva pra ver
Estrelas e o parecer
Dos planetas no seu verso. 

Cada palavra, uma viagem.
Cada sorriso, um encanto. 
Cada lembrança uma vontade
De estar do seu lado em qualquer canto. 

Não-comum

Voltei a sorrir. Daquela forma, natural, sem motivo - e ao mesmo tempo com todos os motivos do mundo. Que conexão foi essa, que chegou sem pedir licença e transformou meus últimos dias? É incrível saber que essas coisas podem acontecer sem necessariamente haver algo oficial, sério ou qualquer rótulo aceito pela sociedade. É ótimo saber que o caminho comum não foi tomado. Porque a situação não é comum. As pessoas envolvidas não são comuns. Porque o universo é tão incomum como cada qual. E é no não-comum que mora a verdadeira beleza.