Páginas

6 de maio de 2014

Pedaço de pano

Aquela coisa boa, aquele carinho ao pensar em você sumiu. Agora, o que me domina é a preocupação. Sua energia não esta mais a mesma, e por mais que eu queira me aproximar, sinto que uma barreira inacreditavelmente forte e fria se ergueu entre nós. Aquele contato gostoso, hoje transformou-se em palavras soltas e respostas pontuais sobre absolutamente qualquer pergunta. Seu celular tornou-se mais interessante do que o mundo, que pelo demonstrado por você, parece girar ao seu redor. Eu quero conversar mais não consigo. Conversar com você é a mesma coisa que falar com um pedaço de pano, sem vida. Me preocupa também é que outras pessoas não repararam. E tenho medo de que as influencias te levem a caminhos sem volta. Mas é como conversar com um bêbado: para que haja uma conversa decente é necessário interesse das duas partes. E não há. É com lágrimas que escrevo essas palavras, na esperança que um dia você saiba que meu amor continua o mesmo.