Páginas

19 de dezembro de 2013

Ruína

A sua palavra tem poder
Mais do que você imagina
Pode construir castelos
Ou levar tudo à ruína.


















PS: texto escrito em 02/07/10

Sonhos [1]

Minha prima chega desesperada para mim, com um convite de casamento na mão, e diz:
-Meu pai me obrigou a casar com o tio-pastor.
-Como assim? Mas porque?
-Diz ele que estou vulgar por demais, e só Deus pra dar um jeito em minha vida.
-Mas ele eh 3421092389231890213980 anos mais velho que você.
-Eu sei, mas é pelo menos alguém que ele conhece.


PS: esse foi um rascunho escrito em maio de 2010.

08-01-2013

E é nessas horas que você percebe que os melhores textos acontecem quando você está triste. Isso é intrigante porque a maior parte da minha vida é só alegria. Mas o que me trás para a internet, para o blogger, para esse meu cantinho criado há tantos anos é isso mesmo que você está pensando: a tristeza. Seria eu uma depressiva por ficar inspirada apenas quando estou triste? É horrível mas temo que sim. Você pode não acreditar, mas estou escrevendo essas palavras com uma facilidade nunca antes vista por mim mesma. É é por isso. Porque, mesmo mergulhada num oceano de alegrias, a minha ignição só acontece quando alguém estraga minha alegria. E isto, não nego, quando acontece me deixa arrasada. Não consigo evitar, sempre tento fazer diferente mas meu cérebro está treinado para sucumbir a dramas, pelo simples fato de não aguentar ficar brigada com ninguém.
Talvez esse texto vá pro ar daqui a alguns meses, para que não seja jogado na minha cara que eu vivo publicando tudo o que acontece comigo em tempo real. Porque não é isso que acontece. Ou é, e eu que não percebo. A questão é que me sinto solitária, mesmo cercada por um mar de pessoas. E mesmo sendo uma pessoa extrovertida e maníaca por felicidade, tenho passado a maior parte do meu tempo presa em mim, de forma triste. Isso porque faz parte de mim lidar com outras pessoas, faz parte de mim querer conversar e conhecer a historia delas. Eu realmente gosto disso, e gostaria muitíssimo que parassem de confundir as coisas, porque eu não estou dando em cima de ninguém quando faço isso.

PS: caso você ainda não tenha percebido, esse texto é um rascunho publicado 11 meses e 11 dias depois de ter sido escrito.

Buscando

Descobrir o que me brilha os olhos é muito importante. Está virando obsessão eu acho. Eu nunca tive obsessão com nada, então não sei descrever o que estou passando agora. Falar de futuro profissional, por exemplo, me deixa animada no começo da conversa, mas depois fico triste. Deprimida mesmo, sabe? Como se fosse ruim discutir isso. Mas não é ruim, de jeito nenhum. Mas acho que fico triste porque ainda não me encontrei profissionalmente. Foram quatro anos de ciências da computação para descobrir que gosto de psicologia. Estou frustrada. "Mas Pam, você pode mudar de carreira a qualquer momento. Você é nova meudeus". Eu sei que sou nova, mas é questão de tempo. E de sossego de pensamentos. Se eu morresse hoje, por exemplo, eu ficaria puta da vida porque ainda não encontrei minha resposta pro que me brilha os olhos. Na verdade, varias coisas brilham meus olhos. Mas eu não consigo enxergar um talento em mim. Aquilo que você faz sem que ninguém tenha lhe ensinado. Talvez escrever, mas se você precisa estar triste para que saia alguma coisa, será que isso é um talento real?