Páginas

27 de novembro de 2011

Relógio ideal

O meu dia deveria ter apenas umas 40 horas, porque tenho certeza de que seria suficiente para que eu fizesse tudo o que eu quero fazer. Trabalho, estudos, lazer, hobbies e descanso, tudo equilibradamente perfeito. Meu ideal de relógio ideal. Suficiente tempo que me faria feliz e realizada. Mas o cuco não permite, regras implícitas e inodoras desde os primórdios. Impossível ser feliz de fato com tantas coisas para fazer. Mas o otimista consegue ver paz na tempestade. E, baseada nisso, busco incessantemente pelo equilíbrio do meu tempo, tentando achar sorrisos no estresse. Tudo tem um motivo e a gente nunca recebe um fardo maior do que podemos carregar. Quero me prender nisso apenas, está de bom tamanho-minuto.

17 de novembro de 2011

O tempo não tem mais tempo

O tempo não tem mais tempo pra mim.
Sinto uma falta absurda de escrever todos os dias:
Ao passo que os minutos voam
E as horas evaporam,
Eu só faço o necessário 
Para manter meu corpo em pé.
Mas minha cabeça
Não possui uma base fixa
Faz muito tempo, é.

7 de novembro de 2011

Alto cajado

A liberdade que sempre exaltei
E consegui por alto cajado:
Não vou deixá-la de lado
Só porque a conquistei.
Ao contrário do que a maioria faz
Dou valor pras coisas que conquisto, sagaz
Mas principalmente aquelas
Que custaram um preço alto, voraz.
E a certeza existe
De que nenhuma cara triste
Me fará ausente 
Do meu maior presente.


5 de novembro de 2011

(R)evolução (Des)necessária

Não mudamos quando é necessário
O que nos faz atentar 
Para não errar da mesma maneira 
Numa próxima vez.
O que me intriga também
É porque mudamos
Quando estamos bem
Seria isso coisa voluntária
Ou o resultado de uma (r)evolução
Espontânea e (des)necessária
Como uma combustão?