Páginas

29 de setembro de 2010

A arte do perdão

O perdão é um arte
Que faz o coração voltar a ser criança.
Houve enorme transformação nos últimos tempos.
É simplesmente impagável estar em paz consigo mesmo.

A alegria que consigo ver refletida nos olhos próximos...
Toda essa luz emana da alegria
Do reencontro da harmonia.
Abraços apertados e sinceros...

Mas ainda preciso de uma confirmação,
Sigo em frente com minha cabeça de melão:
Os olhos não mentem.
Nem o coração.

Essa saudade do mal...
Não quero amenizá-la.
Quero acabar com ela.
Nunca mais precisar senti-la
Desse modo anormal.

Não há dois sentidos
No que acabei de dizer.
Feche os olhos
E verás quem irei escolher.





26 de setembro de 2010

Redenção

Vida, a gente só tem uma.
Temos que aproveitá-la.
Sair e sentir o vento na cara
Sem se esquecer do passado, da lembrança.

Fazer dos fatos um degrau
Para que se possa subir e evoluir
Limpar a cara manchada de culpa
E seguir em frente como deve ser.

Encontrar a própria paz dentro de si
É um dom que poucos tem.
Queria eu implantar isso na mente dos alcançáveis...
Mas isso é pura prepotência.

Não tenho
E jamais terei esse poder.
Poder mudar o mundo é um desejo impossível.
Mas o 'fazer a diferença',
Tecla que bato tanto...
Isso é possível e realizável!

Um caminho a mais pra se redimir do pecado.
Ser diferente de maneira, sem julgar.
Sem esperar julgamento.
Livre.

Mudar tudo que quero a minha volta, não dá.
Já me conformei com tal.
Por mais que eu tenha a intenção de fazer tudo certo
O que é bom pra um
Pode não surtir o mesmo efeito no outro.

Não posso, mas quero abraçar o mundo.
De um jeito apertado, forte, pra fazer 'tec-tec'
Desejo de estar deitada olhando estrelas.
A lua sendo meu cobertor.

25 de setembro de 2010

Eu sou o que move o mundo

Eu vi a morte
tirar vidas
enquanto estava viva.

Eu vi a tristeza
tirar alegrias
enquanto sorria

Eu vi o medo
afugentar pessoas
e enfrentar seu proprio medo

Eu vi a Raiva
Dominar pessoas
enquanto estava calma.

Eu vi o passado
Erguer Museus
Entrelaçando com o Presente
enquanto construía o Futuro

E então eu vi vagando,
de longe sem rumo
Vivendo sentimentos a mil.
Uma felicidade explosiva

Aproveitava cada instante,
minuto e segundos do tempo
sem regras e complicações

Aquilo me intrigou, fato.
Decidi então perguntar seu nome.
E então com o sorriso
e o olhar mais doce,
ele respondeu:

"Eu sou o que move o mundo,
Adorado e Confuso para muitos.
Eu sou o Amor."

por Caroline Pádua



24 de setembro de 2010

A Lenda do Poderoso Voto Nulo

Tem circulado pela internet e entre os cidadãos o “PODER DO VOTO NULO!”.

Segundo as informações, se mais da metade da população (maioria absoluta) colocar “00” ou qualquer número que não seja cadastrado na urna eletrônica, com este “PODER”, haverá uma nova eleição com candidatos diferentes da primeira. Esse é o “PODER DO VOTO NULO!” segundo fontes não identificadas.

Mas, o que ocorre na verdade, é uma confusão quanto a interpretação do ARTIGO 224 do Código Eleitoral Brasileiro.

Se você apenas ler ele, a informação que estão nos passando é válida, tendo a população o poder de fazer uma “REVOLUÇÃO”. Mas aí, ele está sendo interpretado fora do contexto.

No capítulo em que este artigo está inserido, há o ARTIGO 220, que mostra as hipóteses em que a ELEIÇÃO seria ANULADA.

As hipóteses são:
“(i) quando feita perante mesa não nomeada pelo juiz eleitoral, ou constituída com ofensa à letra da lei;
(ii) quando efetuada em folhas de votação falsas;
(iii) quando realizada em dia, hora, ou local diferentes do designado ou encerrada antes das 17 horas;
(iv) quando preterida formalidade essencial do sigilo dos sufrágios;
(v) quando a seção eleitoral tiver sido localizada com infração do disposto nos §§ 4º e 5º do art. 135.”

SOMENTE estas hipóteses anulam uma eleição. Votos comprados, urnas roubadas, etc...

Diz o ARTIGO 211 do Código Eleitoral que será eleito para Presidente da República o candidato mais votado com a maioria absoluta dos votos (mais da metade da população), EXCLUINDO-SE os BRANCOS e os NULOS, não tendo qualquer distinção quanto as duas categorias (isso ainda é reforçado pelo ARTIGO 77 da Constituição Federal Brasileira, no seu PARÁGRAFO 2º.).

Se você votar NULO, ou BRANCO, NÃO CONSTARÁ NA CONTAGEM DOS VOTOS.

Ex.: 10 votos.
2 brancos;
4 nulos;
3 para a Dilma;
1 para o Serra.

Neste exemplo, quem vencerá é a Dilma.

A posição do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é: “Não. O Tribunal Superior Eleitoral decidiu que os votos nulos por manifestação apolítica dos eleitores (protesto) não acarretam a anulação de eleição.”.

Assim sendo, NÃO HÁ VALIDADE nestas INFORMAÇÕES PASSADAS e repassadas, por correntes eletrônicas, de mão em mão, boca em boca, sobre este “PODER DO VOTO NULO!”. Basta conferir nas LEIS, nos LIVROS e sites confiáveis ou governamentais.

Busque informações fundamentadas e confiáveis.

Vote consciente.


Vladimir Vitti Júnior
Bacharelando em Direito-Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS)

_______________
Fontes:
  • “Constituição Federal”- artigo 77, § 2º.
www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm
  • “Código Eleitoral”- capítulo VI, artigos 211, 220 e 224.
www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4737.htm
  • “Projeto Eleitor Consciente- Perguntas mais freqüentes sobre o voto nulo”- Escola Judiciária Eleitoral (EJE).
www.tse.gov.br/eje/html/info_eleicoes3.html
  • “Votar nulo funciona?”- Rainer Sousa, Graduado em História da Equipe Brasil Escola.
www.brasilescola.com/politica/votar-nulo-funciona.htm
  • “Voto nulo anula a eleição?”- Fernando Beltrão Lemos Monteiro, advogado em São Paulo (SP), pós-graduando em Direito Tributário (COGEAE) e Direito Civil (IASP).
www.jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=8195

22 de setembro de 2010

Cordas da Liberdade

Semeio amores, colho flores;
Frutos do plantar do bem.
Levo muito a sério
Aquela parada de não olhar a quem.

Meu desejo é marcar presença,
De um certo modo fazer a diferença.
Ser lembrada por algo bom
E poder gritar a todos e em alto som:

Sou feliz sem medidas!

E se um dia eu for embora
Estou fazendo o que posso agora.
Sei que fui tatuada a fogo em tua lembrança.
Serei suas fantasias descabidas.
Serei seu sonho de criança.

Enforque-se com a corda da liberdade.
Lembre-se dos meus olhos cheios de verdade
Feche os olhos e saiba, pessoa querida:
Jamais vou precisar de freios em minha vida.


21 de setembro de 2010

Base de verdade

Minhas leis são baseadas na verdade
Pra nunca fugir da realidade
Pra não precisar cometer erros, qualquer imbecilidade.
Gente decente, hoje, é raridade.

Quando digo minhas leis, refiro-me às de minha vida
Afinal quem é que gosta tê-la por outros dirigida?
Quando escolher algo, então, de um vez decida
E não volte atrás com a palavra escolhida.

Viver a vida para os outros prejudicar?
Não. Esse certamente, não é meu modo de pensar.
Simples, na humildade, ombro pra quem precisar.
Mas PENSE DUAS VEZES antes de tentar me enganar.

Ou então verá quem irei humilhar.




18 de setembro de 2010

LUTO

Aqui jaz um sentimento colorido
Que antes vivia envolto de flores.
E hoje, ao lembrar do ocorrido,
Faz-me mergulhar numa piscina de dores.

Frias cores.

Espero que todos um dia
Sejamos capazes de compreender
Que só damos valor à alegria
Quando ela, por entre os dedos, escorrer.

Perder.

Pegue o valor das palavras ditas
E multiplique pelas lágrimas derramadas.
Some às situações malditas
E diga se valeu a pena sua atitude aclamada.

Desgraçada.

O perdão um dia, talvez virá,
Um porto seguro pra proteção
E acredito que você encontrará
Alguém por quem você vai respeitar o coração.

Ou não.

Agradeço por me deixar total quebrada
Quem sabe um dia aprendo a desvendar antes uma cilada
Posso te encontrar na próxima virada
Mas jurei pra mim não te dar chance pra mais nada.

Curada.

Agora é guardar as lembranças boas com carinho
E aprender com os erros cometidos.
É o que eu vou fazer e espero que você faça também.
O que aprendemos um com o outro foi o caminho
Que encontrei pra tornar meus sonhos comprometidos.
Espero de coração que você se cuide bem.

Amém!

Mas agora já tá acabado
O nosso console foi desligado.
Só salvar as fases passadas
E não deixar que elas fiquem estragadas.

Apenas bem lembradas.


14 de setembro de 2010

Lápide

É um simples virar de costas.
Bastou uns dias de ausência
E o barraco ja foi zoado.
E não me venha com lorotas:
Espero que você se lembre da decência
Ou não será mais perdoado.

Sou compreensiva,
Mas não sou otária.
Não me passe pra trás.
Senão tua própria mente efusiva
Te punirá com navalha
Jogando-te em lugar fora de paz.

E farei questão de te mostrar como se faz.



12 de setembro de 2010

Bola de Cristal

Não tenho poderes, com certeza
Nem muito menos bola de cristal
Pra penetrar em fortaleza:
Não é feio ser sentimental.

Impossível adivinhar o tempo inteiro
O que se passa numa mente isolada,
Em cativeiro, perturbada.
Coisas passam como caneta-tinteiro:
O que foi escrito e borrado
Vai ficar pra sempre marcado.

Percebe-se no olhar
E nas batidas do coração
Quando a gente pode confiar.

Ou não.


3 de setembro de 2010

Bigorna

Respiro aliviada
Como se uma bigorna bem pesada
Tivesse sido retirada dos meus ombros.
Renasci dos escombros.

Creia que as palavras constroem.
Depende apenas do contexto.
Vide o efeito desse texto.
Ou destroem.
Suas esperanças afogadas
Num mar de lágrimas passadas.

Mas a sensação de alivio e paz
É transmitida no olhar,
No sorriso sincero que satisfaz
Que se aprecia com carinho, meu lar.

Mas o sentimento tem de vir
Do seu vale interior mais profundo.
Senão não haverá mundo
Que se sustentará quando você cair.